A Croácia venceu a Dinamarca nos pênaltis e enfrenta a Rússia nas quartas de final do Mundial

roácia e Dinamarca fizeram a segunda partida com prorrogação e pênaltis ao se enfrentarem neste domingo em Nijni Novgorod pelas oitavas de final do Mundial. E deu Croácia, que venceu por 3 a 2 após o empate no tempo normal em 1 a 1. Já no início, o jogo prometia, afinal a Croácia vinha fazendo uma exibição de luxo até aqui. E pegou fogo quando Jorgensen marcou, no primeiro minuto de jogo, abrindo o placar para a Dinamarca. Dois minutos e meio depois, Mandzukic deixou tudo igual. Só que o jogo foi ficando lento, nem o reverenciado Modric aparecia e assim a partida foi se arrastando até o final do segundo tempo. E, pela segunda vez na competição, uma partida do Mundial foi para a prorrogação e depois para os pênaltis.

O jogo

O primeiro gol saiu quando Knudsen cobrou lateral, Delaney conseguiu o domínio e a bola sobrou para Mathias Jorgensen. Ele girou o corpo e mandou para o gol. Subasic, encoberto, até tocou na bola, mas se atrapalhou e a Dinamarca abriu o placar, quando o relógio marcava um minuto de jogo.

A Croácia não se conformou e Vrsaljko deu um chutão para dentro da área. O zagueiro Dalsgaard tentou afastar, mas a bola bateu em Knudsen e foi para Mandzukic, que chutou forte e fez o empate, aos 3 minutos e 42 segundos, afastando o susto inicial e deixando tudo igual novamente.

De início eletrizante, com gols logo nos primeiros minutos, o ritmo da partida caiu consideravelmente, foi ficando mais amarrado e burocrático no meio-campo. A Croácia não mostrou o mesmo futebol que vinha mostrando até aqui e a Dinamarca conseguiu impor sua força.

A entrada de Kovacic no lugar de Brozovic abriu um pouco mais o time, com o técnico tentando posicionar mais a equipe no campo da Dinamarca, embora a consequência desse tipo de decisão seja mais espaço para contra-ataques. Mas não foi bem o que aconteceu. O jogo foi cada vez mais diminuindo o ritmo e aos poucos já era possível que iria para a prorrogação, como de fato foi, assim como aconteceu no jogo de Rússia e Espanha mais cedo.

Prorrogação

A prorrogação parecia tão lenta quanto o segundo tempo do jogo, com algumas tentativas a mais da Croácia, que parecia ainda querer resolver sem precisar chegar nos pênaltis. E foi de um pênalti, quando Rebic foi derrubado na área, a melhor chance de encerrar ali, já no final da segunda etapa da prorrogação. Modric bateu, mas o goleiro Schmeichel pegou.

Pênaltis

Depois de pegar o pênalti de Modric na prorrogação, Schmeichel foi com confiança para as cobranças. Mas foi Subasic quem começou a série e ele também pegou a bola, batida por Eriksen. Schmeichel pegou o pênalti batido por Badelj e seu pai, que também foi goleiro, pulava no estádio.

A Dinamarca marcou com Kjaer, e a Croácia com Kramaric. Schmeichel protestou, dizendo que havia uma paradinha, mas não levou. Subasic defendeu a batida de Schöne e Schmeichel de Pivaric, mas Krohn-Deli e Modric marcaram. Mas Subasic ainda pegou o pênalti de Jorgensen. Aí, Rakitic fez, sem chance para Schmeichel. Croácia 3 a 2, com destino a Sochi.

Escalações

O técnico da Croácia, Zlatko Dalic, colocou em campo Subasic, Vrsaljko, Lovren, Vida, Strinic (Pivaric), Rakitic (Krohn-Dehli), Brozovic (Kovacic), Rebic, Modric, Perisic (Kramaric) e Mandzukic (Badelj).

Já o técnico da Dinamarca, Age Hareide, escalou Schmeichel, Dalsgaard, Kjaer, M. Jorgensen, Christensen (Schöne), Knudsen, Delaney (Krohn-Dehli), Eriksen, Pousen, Cornelius (N. Jorgensen) e Braithwaite (Sisto).

Fonte: O Sul

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *