A vacinação contra a gripe está aberta para toda a população gaúcha

FONTE: O SUL

Com o encerramento da campanha nacional de vacinação contra a gripe na sexta-feira (22), a SES (Secretaria Estadual da Saúde) orientou os municípios do Rio Grande do Sul que, a partir desta segunda-feira (25), as doses remanescentes podem ser estendidas ao público em geral, independente de faixas etária.

Até agora, mais de 3,1 milhões de pessoas já se imunizaram no Estado, o que representa uma cobertura de 82%. Aos municípios, que são os responsáveis por definir localmente suas estratégias, a SES solicita que seja reservado um quantitativo de doses para que as gestantes possam tomar ao longo do ano, assim como a segunda dose para as crianças que receberam nesta edição da campanha a vacina pela primeira vez.

Os números finais da vacinação no período da campanha nacional devem estar concluídos no início desta semana, quando os municípios digitalizarem os dados no sistema de informações do Programa Nacional de Imunizações. Nos dados registrados até sexta-feira, a menor cobertura está no grupo de crianças menores de 5 anos de idade. Das quase 600 mil que fazem parte dessa faixa etária no RS, apenas 61,9% foram vacinadas. Entre os demais grupos, a maior adesão foi entre as pessoas acima dos 60 anos – mais de 1,3 milhão de pessoas vacinadas significaram uma cobertura superior a 91%, ultrapassando a meta da campanha, que era 90%.

Porto Alegre

A Secretaria Municipal da Saúde mantém o atendimento em todas as salas de vacina da rede, com horários diferenciados, de acordo com o funcionamento das unidades, sempre de segunda-feira a sexta-feira, até o fim do estoque da vacina.

Nas unidades de saúde, o atendimento vai das 8h às 17h; nas unidades São Carlos e Tristeza e no Centro de Saúde Modelo, das 8h às 22h; e na Clínica de Saúde da Família da Restinga, das 8h às 20h. Como a vacina precisa de no mínimo 15 dias para surtir proteção no organismo, a indicação é de que as pessoas sejam levadas ou se dirijam às unidades de saúde com a maior brevidade possível.

Os gestores da secretaria enfatizam a importância da vacinação, especialmente nos grupos de risco elencados pelo Ministério da Saúde neste ano, pois essas pessoas são as mais suscetíveis às complicações da influenza. Com a imunização, caem os índices das complicações, os números de internações hospitalares, de casos da doença e, consequentemente, dos óbitos decorrentes da gripe.

O médico Juarez Cunha, da Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal da Saúde, destacou que, ainda que em Porto Alegre a circulação dos vírus que compõem a vacina (H1N1, H3N2 e B) seja restrita, em outras regiões do Brasil, em especial a Nordeste, o Centro-Oeste e o Sudeste, há grande circulação, com números crescentes de casos. Desde o início do ano, são investigados 320 casos suspeitos de Síndrome Respiratória Aguda Grave em moradores de Porto Alegre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *