O bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, registrou novo confronto e confusão

FONTE: O SUL

O bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, registrou novo confronto entre a Brigada Militar e frequentadores do local durante a madrugada desta terça-feira (05). O caso ocorreu no trecho entre a Rua Lima e Silva e a Avenida João Pessoa. Um grupo se concentrava na Rua da República por volta das 3h30min, com som alto e impedindo que moradores entrassem em suas residências.

Agentes da tropa de choque do 9º batalhão da BM (Brigada Militar), que já atuavam na área desde a tarde de segunda-feira (04), entraram em ação para tentar dispersar a aglomeração, mas algumas pessoas atiraram pedras, pedaços de madeira e garrafas contra os policiais, que responderam com o uso de spray de pimenta.

Conforme relato de moradores, o cenário era de “guerra” durante a madrugada. Contêineres de lixo foram virados, vidraças foram quebradas e ao menos um veículo que estava estacionado na rua foi depredado. Ainda, alguns frequentadores que se envolveram na confusão urinavam nos portões dos prédios.

Na manhã desta terça-feira, ruas do bairro amanhecerem tomadas de lixo. O circuito Cidade Baixa do Carnaval de Rua de Porto Alegre 2019 segue com os blocos Rua do Perdão e Deixa Falar. A festa, autorizada pela prefeitura, se encerra às 21h.

Triplo homicídio

Um homem apontado como um dos executores do triplo homicídio no bairro Cidade Baixa ocorrido no começo do ano foi preso pela Polícia Civil na noite de sábado (02), em ação da Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa). O crime ocorreu em janeiro.

Segundo o delegado Leandro Bodóia, o suspeito de 21 anos foi localizado após uma rápida mobilização da Equipe de Volante do DHPP ao receber uma denúncia anônima de sua localização. No momento da prisão, não houve resistência à ação policial. “Contra o homem envolvido no caso da Cidade Baixa pesam ainda outros dois mandados de prisão preventiva pelo envolvimento em outros homicídios”, destacou Bodóia.

O indivíduo era um dos alvos da operação deflagrada pela 2ª Delegacia de Homicídios e de Proteção à Pessoa, sendo que não havia sido localizado na época. Na ocasião, outros três suspeitos já haviam sido presos.

A diretora do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa, delegada Vanessa Pitrez de Aguiar Correa, destaca a agilidade de mobilização das equipes do DHPP no atendimento de locais de crime e na verificação das denúncias da comunidade que aportam nas Delegacias de Homicídios.

“Todos os fatos graves da Capital são alvo de minuciosa investigação com objetivo de dar uma rápida resposta e prender os autores, sendo muito importante a colaboração da sociedade por meio de denúncias de pessoas envolvidas em homicídios. Nós averiguamos tudo que chega”, salientou a delegada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *