O Brasil perde 3 bilhões de reais ao ano por não reciclar resíduos

A estagnação das políticas públicas no setor dos resíduos sólidos provocou o aumento da quantidade de lixo enviado para locais inadequados em 2017. A volta dos lixões não apenas gera mais impactos ao ambiente e à saúde da população, como faz com que o País, ao também não incrementar a cadeia da reciclagem, desperdice oportunidades econômicas com o lixo.

Cálculos da Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais) apontam que nos últimos cinco anos foram enviados para lixões 45 milhões de toneladas de materiais recicláveis, que poderiam movimentar mais de R$ 3 bilhões por ano.

“Os índices de reciclagem estão estagnados. É uma área que está patinando, apesar de ter um potencial enorme de ganhos e de geração de emprego, desde que a política nacional de resíduos sólidos seja implementada”, disse Carlos Silva Filho, diretor presidente da Abrelpe.

Entre 2016 e 2017, a quantidade de resíduos enviada para lixões aumentou 3%, segundo o mais recente Panorama dos Resíduos Sólidos do Brasil, divulgado em agosto pela entidade. O documento anual, publicado há 15 anos, mostra que 40,9% de todo o lixo gerado no Brasil não tem destinação correta.

“A questão dos resíduos sólidos regrediu no Brasil”, destacou Silva Filho. Para ele, a não implementação total da Política Nacional dos Resíduos Sólidos, aprovada há 8 anos, após tramitar por duas décadas no Congresso Nacional, pode ser explicada por alguns fatores.

“De um lado, as esferas públicas não colocam as políticas sobre resíduos sólidos em suas agendas prioritárias – pelo contrário, elas passam ao largo disso. De outro, também existe uma falta de pressão por parte dos cidadãos. Enquanto o setor privado meio que espera o que vai ocorrer”, afirmou Silva Filho.

Para ele, uma pesquisa do Ibope ilustra a situação. Dados coletados em 2018 com 1.816 pessoas em todas as regiões revelam que 98% enxergam a reciclagem como algo importante. Por outro lado, 75% responderam que não separam seus resíduos no dia a dia. “Ainda existe uma diferença grande entre o discurso sobre as lixeiras coloridas e realmente pôr a mão na massa.”

O paralelo com a crise hídrica de 2014 e 2015, que afetou o Sudeste, mostra como a questão do lixo ainda não impactou o hábito das pessoas. A geração de lixo por pessoa no Brasil cresceu 0,48% de 2016 para 2017. “Na crise hídrica, as pessoas baixaram seu consumo de água, que continuou baixo após o fim da estiagem. Mas com o lixo não ocorre isso. A geração per capita chegou a cair em anos anteriores por causa da crise econômica. Mas voltou a crescer.”

Dívida

Pelos cálculos do Selurb (Sindicato Nacional das Empresas de Limpeza Urbana), feito a partir da dados e exemplos internacionais, o Brasil acumulou uma espécie de dívida, no valor de R$ 730 bilhões. “Essa é a quantia que deve ser gasta para remediar a poluição gerada pelos lixões na última década”, afirmou Marcio Matheus, presidente do Selurb. A conta considera apenas os custos para remoção do lixo enviado para locais inadequados, a descontaminação desse solo e o envio dos resíduos para um aterro sanitário adequado. Danos à saúde, os impactos sociais e econômicos não entraram na conta.

Fonte: O SUL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *