Pelo menos 17 postos de saúde de Porto Alegre seguem fechados após anúncio de extinção de órgão

FONTE: GAUCHA ZH

Um dia após a prefeitura de Porto Alegre anunciar a extinção do Instituto Municipal da Estratégia de Saúde da Família (Imesf), pelo menos 17 unidades de saúde estão fechadas na manhã desta quarta-feira (18). Embora o prefeito Nelson Marchezan tenha assegurado a continuidade do serviço, garantindo que não haveria prejuízos à população, o fechamento dos postos ocorreu por iniciativa dos próprios funcionários, diante da expectativa de demissão dos 1.840 trabalhadores do Imesf, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) — na terça-feira (17), o número de postos de saúde fechados chegou a 68.

A Secretaria Municipal de Saúde estima que 88 mil pessoas tenham sido afetadas pelo fechamento das 17 unidades nesta quarta-feira. A reportagem de GaúchaZH circulou por diferentes regiões da Capital pela manhã e encontrou ao menos outras três unidades de saúde que, embora estivessem abertas — e, consequentemente, não constam no balanço oficial da secretaria (confira a lista abaixo) —, não prestavam atendimento à população.

Na Unidade de Saúde Marcelo Martins Moreira, na Vila Maria da Conceição, uma placa colocada na véspera informava, na manhã desta quarta-feira, que não haveria atendimento. Perto dali, a unidade Bananeiras segue atendendo.

— Já estamos avisando para todos que nesta unidade aqui ninguém atende. Tem que procurar outras — comentou uma trabalhadora da região, que preferiu não se identificar.

Na unidade Ernesto Araújo, no Morro da Tuca, também não há atendimento. Há poucos funcionários no local — todos estão recebendo os pacientes, mas não há, na prática, atendimento médico. Segundo funcionários, os moradores estão sendo orientados a procurarem outros postos de saúde.

A empregada doméstica Roselaine Bell, 36 anos, está com um inchaço no olho e não conseguiu ser atendida.

— Cheguei aqui e me disseram que não tem médicos, porque vão ser demitidos. O pessoal que depende daqui fica na mão.

Em outras unidades de saúde, como a Cruzeiro do Sul e Jardim Cascata, os pacientes são recebidos — no entanto, o atendimento está mais lento devido ao número reduzido de profissionais da saúde.

Na unidade Morro da Tuca, os profissionais decidiram abrir.

— A equipe está muito abalada, mas decidimos abrir para não prejudicar a população. Estamos preocupados com a situação da saúde em Porto Alegre. Só fomos informados pela imprensa, mas, mesmo assim, a equipe decidiu trabalhar — relata uma funcionária do posto, que também preferiu não se identificar.

Para Claire Grossi, 51 anos, moradora da região, uma redução no atendimento traria problemas:

— Venho sempre consultar quando preciso, os agentes passam lá em casa. Acho um absurdo serem demitidos. Se este posto não tiver mais atendimento, vai ser um caos.

Unidades de Saúde fechadas na Capital
*Balanço parcial da Secretaria Municipal de Saúde até as 10h22min

Região Glória/Cruzeiro/Cristal

Unidade Osmar Freitas
Unidade Vila Gaúcha
Unidade Tronco
Região Partenon/Lomba do Pinheiro

Unidade Esmeralda
Unidade Herdeiros
Unidade Recreio da Divisa
Região Leste/Nordeste

Unidade Jardim Protásio Alves
Unidade Wenceslau Fontoura
Unidade Milta Rodrigues
Unidade Vila Brasília
Região Norte/Eixo Baltazar

Unidade Esperança Cordeiro
Unidade Beco dos Coqueiros
Unidade Planalto
Unidade Nova Gleba
Unidade Santo Agostinho
Unidade Passo das Pedras II
Unidade Santa Maria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *