Após tiroteio com quatro mortes, hospital tenta voltar à rotina com reforço na segurança

Segundo funcionários do Cristo Redentor, movimento ficou abaixo da média para uma manhã de sábado

 

Na manhã seguinte ao tiroteio que deixou quatro mortos em frente ao hospital Cristo Redentor, na zona norte da Capital, o burburinho pelos corredores e o semblante de preocupação dos funcionários e pacientes contrastavam com a informação de que o serviço funcionava normalmente na instituição.

O atendimento voltou às 22h de sexta-feira, pouco mais de quatro horas depois do episódio, mas a movimentação seguia baixa na manhã deste sábado. Além da segurança privada do hospital, que contava com um efetivo normal, um carro da Brigada Militar estacionado em frente à instituição, reforçava a segurança.

– Desde ontem (sexta-feira), o fluxo de pessoas está mais baixo, a sensação de insegurança é muito grande. Acho que os familiares estão optando por não vir visitar os pacientes hoje – afirma uma funcionária do serviço de emergência, que estava presente no momento do tiroteio.

Leia mais
Jovem é preso pela morte de policial rodoviário aposentado
Funcionários do HPS protestam por mais segurança após tiros no local 
Justiça nega pedido de prisão de motorista do Audi

Com o pedido para não ter a identidade revelada, ela conta que, quando os primeiros tiros foram disparados na rua, dezenas de pessoas entraram correndo pela porta do hospital, buscando abrigo, chorando e gritando pelos parentes.

– Foi um tumulto. A gente não sabia se eles iriam entrar, então ficamos todos muito tensos. Ate agora estamos todos preocupados, a sensação de insegurança é muito forte.

Conforme informações do hospital, os dois policiais feridos durante o tiroteio já receberam alta ainda na noite de sexta-feira.

Por volta das 17h30min de sexta-feira, pelo menos 30 disparos foram efetuados entre suspeitos de roubarem um carro e policiais militares. Tudo teria se iniciado na Vila Jardim, região conflagrada por quadrilhas que disputam pontos de tráfico com rivais da Bom Jesus. Os PMs abordaram um i30 prata e um New Civic de cor escura na Rua Alberto Barbosa. Ao consultarem as placas dos veículos, os policiais afirmam que foram atacados a tiros.

– Dali em diante, eles (bandidos) foram embora. Viemos para o (hospital) Cristo Redentor atender os militares e, da mesma forma, o i30 estava aqui e atirou novamente. A gente revidou para neutralizá-los. Eles deram azar de fazer o mesmo caminho que a gente – afirma o sargento Alexsandro Jacobowski.

Em frente ao hospital, começou um novo confronto. Os PMs revidaram os tiros da quadrilha e todos os ocupantes do i30 acabaram mortos.

A Polícia Civil investiga a identidade dos mortos. Suspeita-se que sejam integrantes da quadrilha Bala na Cara, com atuação na Bom Jesus.

 

Fonte : Diário Gaucho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *