Áudios divulgados pela PF sugerem que Lula e filhos controlavam acesso ao sítio de Atibaia

Em uma das gravações, Kalil Bittar, irmão do proprietário Fernando Bittar, pede ao filho de Lula autorização para usar a propriedade

Novas gravações de telefonemas de Lula e seus familiares, tornadas públicas no fim da tarde desta quinta-feira pela Polícia Federal, sugerem que o ex-presidente e seus filhos tinham as chaves e controlavam o acesso ao sítio de Atibaia. A PF investiga se Lula ocultou patrimônio ao não declarar a propriedade como sua.

Leia mais
“Que palhaçada é essa que o MP me denunciou?”, pergunta Lula em grampo
Manifestantes voltam a se reunir em frente ao Congresso Nacional
PGR e AGU têm cinco dias para se manifestar ao STF sobre nomeação de Lula 

A primeira gravação mostra uma conversa do ex-presidente com um funcionário, em que cobra a localização das chaves do sítio. O funcionário informa que elas estão com Marcos, que para a PF é Marcos Cláudio Lula da Silva, filho de Lula. O ex-presidente diz que é preciso providenciar as chaves porque ele gostaria de ir ao sítio na manhã seguinte. Os investigadores ressaltam que, apesar de os supostos donos do lugar serem Fernando Bittar e Jonas Suassuna, as chaves ficam em poder de Lula e dos filhos.

Outro trecho das gravações mostra Kalil Bittar, irmão de Fernando Bittar, proprietário do sítio, pedindo autorização ao filho de Lula, Fábio Luís da Silva, para ir à propriedade e convidar pessoas para lhe acompanhar. Os telefonemas foram gravados nos dias 26 e 27 de fevereiro. No relatório os policiais destacam que “causa estranheza” que o irmão do suposto proprietário do sítio precise pedir autorização de Fábio Luís para fazer uma visita. Depois, Kalil liga para Fábio e avisa que tenta insistentemente — e sem sucesso — encontrar Maradona, caseiro do sítio, para combinar sua ida ao local. Fábio então liga para Maradona e o instrui a atender às ligações de Kalil.

Já em Atibaia, Kalil conversa com Renata, mulher de Fábio Silva, e diz estar na casa “daquela acumuladora Marisa Letícia”:

* Zero Hora 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *