Prefeito aponta os desafios de São Leopoldo

Moa palestrou no Momento do Empreendedor, reunião-almoço promovida pela ACIST-SL

Convidado pela ACIST-SL para falar para empresários e convidados sobre como São Leopoldo pode ser uma cidade atraente para viver, trabalhar e empreender, o prefeito Aníbal Moacir da Silva optou por descrever os cinco principais desafios do poder público municipal para depois relatar os maiores projetos. “São Leopoldo cresceu desordenadamente. A população cresceu em média 10%, quando Novo Hamburgo, por exemplo, cresceu 1%. Não temos como oferecer a infra-estrutura necessária para todos”. “Desejamos ter uma cidade sustentável e não são poucas as atividades que precisam ser desenvolvidas. Foram muitos anos de falta de investimentos em áreas fundamentais e com a arrecadação em queda e projetos parados em Brasília, ficamos de mãos atadas. Mesmo assim, estamos conseguindo atingir as metas propostas no início do mandato”, comentou. Ele palestrou no Momento do Empreendedor, reunião-almoço promovida na sede social da ACIST-SL.

 

Dentre os desafios, está a conquista de uma rede de saúde completa com a implantação da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) no bairro Scharlau, a construção do Complexo Hospital Centenário e reformas nas Unidades Básicas de Saúde. A seguir vem os investimentos para inovar e desburocratizar a gestão interna para incentivar a geração de emprego e de novos empreendimentos e melhorar a infraestrutura urbana e espaços de lazer, para, na sequência, desenvolver projetos para sustentar as demandas atuais e futuras, conquistando, então, uma cidade sustentável.

 

Saúde – Conforme o prefeito, a área da Saúde é o maior projeto. Em 2015, foram realizados mais de dois milhões de atendimentos, sendo que somente os procedimentos de enfermagem somaram 1,1 milhão. O próximo grande passo é a construção do Centro Hospital Centenário, que demandará investimentos na ordem de R$ 176 milhões para reformar, ampliar e equipar os 36,5 mil metros de área construída. Serão 325 leitos do SUS e 120 de saúde complementar. “O objetivo é sermos um Medical Valley, semelhante ao que existe na região de Erlanger, cidade quase falida que passou a ter o maior PIB da Alemanha após investir maciçamente na área médica”.

 

Gestão – Para buscar a eficiência na gestão, foi publicada a Cartilha do Alvará, um guia construído com o intuito de orientar e informar sobre quais os passos que o empreendedor deve seguir no processo de formalização, diminuindo a perda de tempo e o gasto em idas e vindas dentro da Prefeitura. A Sala do Empreendedor, por sua vez, reúne diversos serviços da prefeitura para desburocratizar e acelerar a formalização das empresas. A instalação do REDESIM, sistema integrado de informações e processos, permite que os micros, pequenos e médios empresários acessem os serviços, diminuindo a burocracia e o número de procedimentos para a abertura e regularização de empresas. Também foi criado uma Central de Aprovação de Projetos, para por fim à peregrinação que os proprietários e profissionais da construção civil tinham de fazer para aprovar projetos.

 

Empreendedores – Para ampliar a oferta de espaços para novas empresas, o dirigente municipal destacou os esforços para concluir a obras do Distrito Industrial da Zona Norte. Um novo edital, para a venda dos seis últimos lotes, será publicado em abril. “E estamos aguardando a resposta do governo do estado sobre o projeto do novo distrito localizado no bairro Feitoria”. Ele também destaca a vinda da Taurus para São Leopoldo, que irá gerar 2,2 mil empregos. Localizada no Distrito Industrial da Avenida São Borja, a fábrica terá uma área construída de 17 mil metros.

 

Infraestrutura – A infraestrutura urbana vem recebendo, nos últimos meses, uma série de investimentos. Praças estão sendo revitalizadas, o asfalto vem recebendo nova manta asfáltica e academias de ginástica oferecem mais qualidade de vida. “Mas estes esforços serão inúteis se a população não ajudar, pois o vandalismo destrói tudo o que construímos”.

 

Segurança – A Segurança, segundo Aníbal Moacir, é o maior problema de São Leopoldo. Há a falta de policiamento devido aos cortes orçamentários da Brigada Militar. A alternativa tem sido ampliar, treinar e equipar os profissionais que fazem parte da Guarda Municipal, que agora também fazem a ronda em escolas e praças. Outro gargalo que Moacir citou é a ocupação da Rua Independência pelo comércio ilegal. “Infelizmente, muitos lojistas estão acobertando esta atividade, inclusive ameaçando os fiscais e a guarda municipal. Com esta atitude, prejudicam a todos”, relata.

 

Impostos – Questionado sobre a necessidade ou de aumentar os impostos para suprir o déficit de arrecadação do município, o prefeito de São Leopoldo disse que não é preciso aumentar ou criar novos impostos e sim haver distribuição mais justa. “Hoje, São Leopoldo fica com apenas 18% do que arrecada. É muito pouco. O que os prefeitos pedem é que a fatia do bolo seja repensada, passando a ser 40% para os municípios, 30 para o Estado e 30% para a União.

 

Fonte: Prefeitura SL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *