Cessna Citation 500 custou R$ 1 milhão ao criminoso, que acabou devolvendo aeronave Foto: Divulgação / Divulgação

Traficante Xandi comprou jato de Alexandre Pires

Apresentando-se como empresário, traficante adquiriu avião de cantor de pagode, que não conhecia sua atuação no crime

 

Humberto Trezzi

[email protected]

Um dos mais conhecidos traficantes gaúchos, Alexandre Goulart Madeira, o Xandi – assassinado há um ano em uma emboscada em Tramandaí – conseguiu amealhar bem mais do que imóveis e frotas de carros de luxo e táxis. Conforme investigação do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) da Polícia Civil, o criminoso adquiriu um jato executivo (supostamente, para lavar dinheiro). E a surpresa dos policiais foi ainda maior ao descobrir quem vendeu a aeronave: o cantor de pagode Alexandre Pires, internacionalmente conhecido.

Ao realizar o negócio, Xandi se apresentou como empresário da noite porto-alegrense, o que não deixa de ser verdade. Ele era sócio da produtora de eventos Nível A Produções, que agenciava shows de pagode e funk.

“Barão das placas” diz que desconhece tráfico e jamais cometeu crime

Foi por circular nesse meio e viajar muito que Xandi teve a ideia de comprar um avião executivo. Ele ficou então sabendo que o cantor Alexandre Pires, que iniciou carreira em 1989 e se tornou famoso com os 11 álbuns gravados no conjunto Só Para Contrariar (SPC), tinha colocado à venda seu Cessna Citation 500, um jato bimotor. Apesar de antigo (foi fabricado em 1975), o avião (prefixo PT-LOG) tinha permissão de voo regulamentada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e estava em nome do próprio cantor (Alexandre Pires do Nascimento). A aeronave é capaz de deslocamentos até Rio, São Paulo ou Minas, sem reabastecimento, desde o RS.

Jato devolvido sob pressão para ressarcir o dinheiro

O negócio foi firmado há cerca de cinco anos. Xandi acertou pagar R$ 1 milhão, em cinco vezes. Mas logo o empresário-traficante desistiu do avião. Há duas versões para o episódio. Uma, de que o aparelho apresentava “problemas técnicos recorrentes”, segundo a investigação do Denarc. A outra, do empresário de Alexandre Pires, de que Xandi não teria inteirado a quantia devida.

Trecho da denúncia do Ministério Público Estadual:
A organização contou também com uma aeronave para consecução da atividade criminosa (avião PT-LOG-500 0284), bem adquirido do cantor ALEXANDRE PIRES pela quantia de um milhão de reais, parcelada em cinco vezes. Após o pagamento de quatrocentos mil reais, “Xandi”, em virtude de problemas técnicos recorrentes enfrentados pela aeronave devolveu o bem ao cantor, desfazendo o negócio. A quantia já integralizada pela quadrilha foi ressarcida por ALEXANDRE PIRES ao grupo.

O certo é que Xandi já tinha pago R$ 400 mil quando devolveu o avião a Alexandre Pires, com rescisão de contrato. Após o rompimento do negócio, o cantor foi pressionado a ressarcir o dinheiro que já tinha sido pago pelo traficante. Foi aí que Pires começou a desconfiar que Xandi poderia ter uma fachada oculta, que não a de mero empresário. É o que o próprio Alexandre descreve, em depoimento prestado à Polícia Civil como testemunha:

“Em razão da cobrança pela devolução de valores, Thiago mencionou que as pessoas que haviam comprado o avião, vinculadas a Alexandre Goulart Madeira, o Xandi, poderiam ser de má índole, aconselhando o declarante (Pires) que efetuasse a devolução do valor”.

EPTC suspende permissão de 13 táxis ligados a suspeitos de integrar quadrilha de Xandi

“Nosso advogado alertou que os caras eram ‘barra pesada’”, diz produtor

O Thiago mencionado é um produtor musical mineiro que ofereceu a Xandi o jato. No depoimento, o cantor detalha pressões recebidas: “Em meados de 2012 compareceram dois homens no escritório profissional do declarante (Pires), em São Paulo, cobrando a restituição dos valores pagos pelo avião”.

O cantor, hoje com 10 álbuns solo gravados, reconheceu os dois como Xandi e um parceiro dele. Alexandre Pires decidiu então pagar. Quem confirma é o seu empresário, Aldo Braghetto, em entrevista concedida nesta quinta-feira a Zero Hora. Ele diz que o cantor não sabia que Xandi era traficante, que lhe foi apresentado como empresário de shows.

– A Cessna também não sabe quem você é quando vende o avião, o que interessa é ter dinheiro. E o Xandi tinha. Ele até quis comprar shows nossos, mas não vendi. Tempos depois ele quis devolver o avião, pediu o dinheiro de volta… Nosso advogado alertou que os caras eram “barra pesada”. Devolvi o dinheiro deles, dei quatro ou cinco cheques. Nos botaram em uma fria – desabafa Braghetto.


QUEM ERA XANDI –
Alexandre Goulart Madeira, o Xandi, era um dos “patrões” da droga em Porto Alegre. Distribuía cocaína a partir do bairro Santana e da Vila Planetário e estava se estendendo para a Cidade Baixa, além de ter influência em vilas da zona leste (próximas a Viamão).

A situação do jato, agora, é desatualizada. No fichário da Anac ainda consta como pertencente a Alexandre Pires, mas está com seu certificado de aeronavegabilidade suspenso (proibido de voar). Está parado em um hangar em Sorocaba (SP). Conforme a ficha, o jato está com a Inspeção Anual de Manutenção vencida. Além disso, o Ministério Público do RS solicitou bloqueio dos bens negociados por Xandi (entre eles, o avião), por supostamente terem sido usados em lavagem de dinheiro do tráfico. O bloqueio do jato não foi concedido pelo juiz Orlando Faccini Neto, da 8ª Vara Criminal de Porto Alegre, que ainda estuda o caso.


REGISTRO NA ANAC
Matrícula – PTLOG
Fabricante – Cessna Aircraft
Modelo – 500
Série – 500-0284
Passageiros – 5
Peso máximo de decolagem – 5.216 Kg
Classe da aeronave – Pouso convencional, dois motores. Jato/Turbofan
Situação – Certificado de aeronavegabilidade cancelado
Motivo – Inspeção Anual de Manutenção vencida

Fonte: Diário Gaucho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *