Vendas do comércio brasileiro caíram 1,3% em setembro

FONTE: O SUL

Em setembro de 2018, o comércio varejista brasileiro caiu 1,3% frente a agosto, na série com ajuste sazonal, após avanço de 2,0% em agosto. Com isso, a evolução do índice de média móvel trimestral para o varejo mostrou redução de ritmo ao sair de 0,5% no trimestre encerrado em agosto para 0,1% no trimestre encerrado em setembro. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (13) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Na série sem ajuste sazonal, no confronto com setembro de 2017, o comércio varejista cresceu assinalou estabilidade (0,1%) em setembro de 2018. Ainda assim, os índices foram positivos tanto para o fechamento do terceiro trimestre de 2018 (1,0%), como para o acumulado dos nove meses do ano (2,3%), ambas as comparações contra iguais períodos do ano anterior. O indicador acumulado nos últimos doze meses, ao passar de 3,3% em agosto para 2,8% em setembro, sinaliza perda de ritmo de vendas.

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, o volume de vendas recuou 1,5% em relação a agosto, descontando parte do avanço de 4,2% do mês anterior e contribuindo para que a média móvel do trimestre encerrado em setembro (0,8%) sinalizasse redução no ritmo das vendas, em relação à média móvel no trimestre encerrado em agosto (2,2%)

Em relação a setembro de 2017, o comércio varejista ampliado mostrou avanço de 2,2%, décima sétima taxa positiva consecutiva. Assim, o varejo ampliado acumulou avanço de 5,2% no indicador acumulado no ano e de 4,0% no terceiro trimestre de 2018. O indicador acumulado nos últimos doze meses, ao passar de 6,4% até agosto para 5,8% até setembro, também apontou queda no ritmo de vendas. A publicação completa está à direita.

Seis das oito atividades pesquisadas apresentaram queda

O recuo de 1,3% no volume de vendas do comércio varejista, na passagem de agosto para setembro de 2018, na série com ajuste sazonal, foi acompanhado por uma predominância de resultados negativos em seis das oito atividades pesquisadas: por ordem de magnitude de taxa, Combustíveis e lubrificantes (-2,0%), Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,2%).

Outros artigos de uso pessoal e doméstico e Livros, jornais, revistas e papelaria (ambos com -1,0%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-0,4%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-0,2%) influenciaram o resultado geral do varejo. Por outro lado, apresentando avanço nas vendas frente a agosto de 2018, figuram duas atividades: Móveis e eletrodomésticos (2,0%) e Tecidos, vestuário e calçados (0,6%).

Considerando o comércio varejista ampliado, o volume de vendas em setembro caiu 1,5% frente a agosto de 2018, na série com ajuste sazonal, compensando, em parte, o aumento de 4,2% do mês anterior. Para essa mesma comparação, Veículos, motos, partes e peças mostrou estabilidade (-0,1%), enquanto Material de construção registrou queda de 1,7%, ambos, respectivamente, após avanços de 5,5% e 3,4% registrados no mês anterior.

Em setembro de 2018, frente a igual mês do ano anterior, o comércio varejista ficou estável (0,1%), com predominância de taxas positivas atingindo cinco das oito atividades. Vale citar que setembro de 2018 (19 dias) teve um dia útil a menos do que igual mês de 2017 (20 dias).

Entre as atividades em alta, destacaram-se Outros artigos de uso pessoal e doméstico (3,9%), seguido por Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,4%) e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,9%).

Ainda com avanço em relação a setembro de 2017, figuram: Tecidos, vestuário e calçados (1,2%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (0,8%). Já as quedas ocorreram em: Combustíveis e lubrificantes (-5,0%), setor que exerceu o principal impacto negativo, seguido de Móveis e eletrodomésticos (-2,2%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (-16,5%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *